Notícias

/artigo

Role para baixo e veja mais

Webinar promovido pela Abit reúne 80 associações de empresas

Evento de divulgação do Brasil Mais apresentou dados da iniciativa do governo federal, case de sucesso e como participar do programa

Em Marechal Cândido Rondon, pequeno município do Paraná com 53 mil habitantes, a indústria de confecção do ramo de moda praia, fitness e lingerie Jeito do Corpo participou do programa Brasil Mais. O resultado foi um aumento de 76% da produtividade da empresa com nenhum custo. A história de sucesso foi apresentada em webinar, promovido nessa quarta-feira (5), pela Associação da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), apoiadora institucional do programa. 

O evento online contou com a participação do presidente da Abit, Fernando Pimentel; do presidente da ABDI, Igor Calvet; do gerente de Competitividade do Sebrae, Cesar Rissete; do gerente-executivo de inovação e tecnologia do SENAI, Marcelo Prim; e do subsecretário de Inovação do Ministério da Economia, Igor Nazareth. Ao todo, 80 entidades e conselhos de classe, associações, confederações e federações de empresas participaram do encontro virtual.

Em seu depoimento, a gerente de produção Leila Fagundes, dona do negócio com 24 funcionários, contou que foi atendida pelo SENAI com a Mentoria Lean (manufatura enxuta), cuja consultoria a ajudou a visualizar quais os pontos poderiam ser trabalhados e melhorados. “A presença do consultor, semanalmente, nos ajudou a ler os números, a conhecer a teoria e a colocar tudo em prática, a encontrar os indicadores para a tomada de decisão”, explicou.

Segundo Leila, apesar de haver outras áreas a serem trabalhadas, junto com a consultora, elas optaram por melhorar a Expedição, pois era um setor que estava com super processamento. Ao alterar o layout e realizar um fluxo contínuo na movimentação de pessoas, alcançaram o aumento de produtividade sem modificar a estrutura física.

Para ela, o programa abre o olhar do empresário. “Você precisa parar e olhar para o seu processo produtivo e ver o que poderia ser diferente. Porque eu achava que já tínhamos feito tudo o que era possível para mudar. E estava completamente enganada. No fim das contas, nosso único investimento foi nossa participação. E estamos muito contentes”.

A questão da necessidade de se aumentar a produtividade nas empresas brasileiras foi justamente o que moveu o Ministério da Economia na hora de formatar o programa Brasil Mais, de acordo com o subsecretário de Inovação da Pasta, Igor Nazareth. Em sua apresentação no webinar, ele destacou que atualmente são necessários quatro trabalhadores brasileiros para produzir o que um trabalhador americano produz.

De acordo com ele, o Brasil Mais, além de ter como meta o atendimento de 120 mil empresas até o final de 2022 com os Agentes Locais de Inovação (ALI) do Sebrae e os consultores do SENAI, pretende capacitar dois milhões de empresários. “Atualmente isso está sendo feito pela plataforma e por eventos online. Mas futuramente queremos realizar eventos presenciais. No ano que vem, inclusive, iremos fazer uma grande Semana da Produtividade, acontecendo simultaneamente em todo o Brasil”. O próximo passo do programa, segundo Nazareth, será realizar a etapa de transformação digital em 20 mil empresas e inserir outras quatro mil na rota da Indústria 4.0.

O presidente da ABDI, uma das quatro parceiras do programa, Igor Calvet, destacou que no Brasil, infelizmente, é preciso cuidar da agenda dos séculos 19, 20 e 21, ao mesmo tempo. “A gente precisa lidar com a manufatura enxuta, ao mesmo tempo pensar na 4.0 e fazer tudo isso muito bem feito. O trabalho tem sido incansável e eu gostaria de agradecer o Ministério da Economia, o Sebrae, o SENAI, a Abit e todos os apoiadores que estão nessa parceria público-privada em prol da produtividade dos pequenos negócios em nosso país”. 

Brasil Mais Coordenado pelo Ministério da Economia, com gestão operacional da ABDI e execução pelo SENAI e SEBRAE, o Brasil Mais oferece a empresas soluções de baixo custo e de rápida implementação para melhorar a gestão, adotar tecnologias digitais, inovar processos e reduzir desperdícios.

Saiba mais